sábado, 8 de maio de 2021

Greve Sanitária: Carta Aberta às Equipes Diretivas

 Colegas das Direções das Escolas Municipais

Estamos vivendo um momento crucial para educação de Novo Hamburgo e para as nossas VIDAS. Esta Administração Municipal busca reabrir as escolas sem oferecer condições para que o protocolo sanitário possa ser executado. Faltam EPIs adequados, as máscaras distribuídas (de pano) não são as indicadas para recintos fechados, falta de pessoal para limpeza etc. Além disso, não estabelece um protocolo pedagógico claro para o ensino híbrido, não define como será o atendimento conjunto para os alunos que estão em casa e para os que se encontrarão nas escolas, sem prejuízos em nenhuma das partes.

E é nesse momento crucial para a educação da cidade que devemos nos perguntar seriamente mais uma vez: a direção da escola deve estar vinculada e comprometida com os interesses da Prefeitura e suas secretarias? Ou deve estar comprometida com os interesses da comunidade escolar?

Vocês foram eleitos(as) pelo voto direto pela comunidade escolar - professores, funcionários, alunos e pais-, para o exercício da gestão democrática e gostaríamos, enquanto entidade que representa os professores municipais, que não ficassem reféns do assédio moral da Administração. Portanto, é dever da direção preservar a autonomia escolar e não ceder às pressões da Prefeitura.

O respeito à decisão dos professores de realizarem a GREVE SANITÁRIA e defenderem suas vidas é um exemplo do exercício da democracia e da cidadania que estaremos ensinando aos nossos alunos. Se quisermos formar cidadãos críticos e combativos para mudar as situações de injustiças e desigualdades sociais, precisamos demonstrar com ações.

É importante ressaltar que quando lutamos pela nossa VIDA e da nossa comunidade escolar, estamos em busca de condições adequadas para efetivar o nosso trabalho, tendo como principal objetivo a Educação, Pública, Gratuita e de Qualidade para todos.

Os professores realizarão a GREVE SANITÁRIA a partir de segunda-feira (10.05) amparados pela Constituição Federal, artigo 9º:

“Art. 9. É assegurado o direito de greve, competindo aos trabalhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os interesses que devam por meio dele defender.”

O Sindicato informou oficialmente a Prefeita sobre a realização da GREVE SANITÁRIA e está aguardando uma audiência com a mesma para avançarmos no diálogo e criarmos conjuntamente as condições para o retorno seguro de nossa comunidade escolar.

A direção da escola também tem a obrigação de informar às famílias que os professores não estarão na escola e, portanto, que os alunos não devem comparecer. Chamar alunos para escola quando os professores não estarão presentes colocará em jogo a segurança deles.

Então, vamos aceitar o assédio que a Prefeitura realiza por meio da Secretaria de Educação?

 

Uma boa luta para todos!

quinta-feira, 6 de maio de 2021

Carta Aberta À Comunidade: Greve Sanitária em Defesa da Vida

Dos bebês, das crianças, dos jovens, das famílias das comunidades escolares, das professoras e dos professores

Nós, profissionais da educação do município de Novo Hamburgo, entramos em greve sanitária em defesa da vida de todas e todos a partir do dia 10 de maio de 2021 por deliberação de Assembleia ocorrida no dia 05 de maio de 2021. Infelizmente, ainda vivemos o resultado de uma segunda onda devastadora da pandemia, vivemos o luto de 414 mil famílias. No Rio Grande do Sul já são 992.470 casos confirmados até o presente momento. A taxa de mortalidade é de 224,5/100.000 hab., sendo maior que a taxa nacional. Só no município de Novo Hamburgo, na data de ontem, 398 novos casos.

Após um longo debate na Assembleia, que contou com número expressivo de participação, entendemos que não foram discutidos de forma clara os protocolos para a volta e, portanto, continuaremos nosso trabalho de forma remota para a proteção da vida enquanto não houver clareza da forma em que o ensino híbrido acontecer. Entendemos, também, que à comunidade escolar não foi explicado de forma clara que os alunos não estarão todos os dias na escola e que, quando não estiverem na escola, deverão realizar de forma remota as atividades e que, mesmo depois de um ano de ensino remoto, há estudantes que não têm internet e dispositivos móveis para a realização efetiva de um ensino híbrido. A desigualdade educacional também passa pela desigualdade tecnológica.

Ademais, entendemos que não houve, por parte da administração, uma abordagem adequada nos bairros sobre protocolos de prevenção, como uso da máscara, higienização das mãos, distanciamento, há inúmeros relatos, inclusive noticiados, de aglomerações que em nada respeitam o distanciamento social.

Retomar as aulas, neste momento, implicará também em mais pessoas contaminadas, pois o vírus circulará com mais intensidade, além de sofrer mutações e se apresentar ainda mais transmissível, talvez até mais letal. Sabemos que sem vacina para todas e todos e sem segurança sanitária, será uma tragédia anunciada, como professoras e professores temos uma responsabilidade social pela preservação da vida.

É público e notório o fato de que nenhum protocolo é 100% seguro. Portanto, enquanto os protocolos não estiverem bem definidos, estaremos em greve sanitária, que significa que exerceremos nossas atividades remotas.

Como faço para aderir à greve sanitária proposta pela categoria junto ao SindprofNH?

 

1 - Enviar e-mail para a escola, com modelo conforme abaixo e solicitar confirmação de leitura:

Sr (a). diretor(a) da Escola __________________________________ Eu, ____________________________ (Nome Completo), portador do  RG ________ (nº) e do matrícula:________, com fundamento nos artigos 5º e 7°, inciso XII, da  Constituição Federal, comunico o meu não comparecimento às  atividades docentes presenciais, diante dos riscos à minha vida e saúde que esse trabalho presencial acarretam, e em decorrência  do movimento de paralisação (greve sanitária pela vida e pela  saúde) deliberado em assembleia do SindprofNH, esclarecendo que estou à disposição para as minhas atividades de modo remoto, tudo conforme a legislação aplicável ao caso e ofício enviado pelo Sindicato à SMED e ao Gabinete da Prefeita.

Diante do exposto, requeiro que não seja lançado em meu prontuário nenhuma falta injustificada, diante do direito legal e constitucional  de greve em defesa da vida.

2 - Avise o SindprofNH que está aderindo à greve, preenchendo o formulário neste link: https://forms.gle/nBSAUbdWkhjCBkHr9

3 - Fique atento ao seu e-mail e às redes do SindprofNH para maiores informações.

E-mail: sindprofnh@gmail.com

Facebook e Instagram: @sindprofnh