quinta-feira, 19 de março de 2020

Coronavírus: Fechamento da sede do SindprofNH

O SindprofNH sabe da importância de todas e todos trabalharem juntos contra o coronavírus e por isso procura dar o exemplo. Nós liberamos nossa funcionária Janete para ficar em casa até as coisas ficarem mais tranquilas. Nos próximos dias, não abriremos nossa sede e pedimos que durante a suspensão das aulas todas e todos fiquem em casa o máximo de tempo possível para podermos contribuir com a não propagação deste vírus. Na imagem, seguem nossos contatos, pois ficaremos em nossas casas, mas alertas. As vidas de todas e todos importam!



SindprofNH denuncia ao Ministério Público à manutenção das aulas nesta sexta-feira, apesar da declaração de situação de emergência

Acabamos de encaminhar uma denúncia ao Ministério Público em relação à manutenção das aulas nesta sexta-feira, apesar da declaração de situação de emergência. O protocolo da denúncia é 01512.000.248/2020. Segue o texto da denúncia:
A prefeitura de Novo Hamburgo emitiu no dia 16 de março o Decreto 9155/2020, que dispõe sobre medidas temporárias de prevenção a contágio pelo COVID-19 (novo Coronavírus) no âmbito do Município. Neste decreto, determinou a suspensão das aulas para o dia 23 de março, com a justificativa de que não se tratava de uma declaração de emergência. No dia 18 de março, a Prefeita Municipal publica o Decreto 9160/2020, que decreta situação de emergência para fins de prevenção e enfrentamento à COVID-19 (novo Coronavírus) e estabelece outras medidas, no Município de Novo Hamburgo. No novo decreto, suspendem-se todo e qualquer evento privado que implique a aglomeração de pessoas; as visitações a parques, casas de cultura e atividades em organizações não governamentais (ONGs) e associações comunitárias; as reuniões de Conselhos Municipais ou outras formas de colegiados, salvo situações específicas devidamente justificáveis; a realização de atendimento ao público no Procon e AME – Agência Municipal de Emprego; a realização de cultos religiosos, festas, bailes e shows; e as atividades nos estabelecimentos de Teatros, Museus, Centro Culturais e Bibliotecas. Ademais, veda o funcionamento de academias, centros de treinamentos, centros de ginástica e cinemas, independentemente da aglomeração de pessoas; limita em 50% a lotação dos serviços de alimentação, restaurantes, lanchonetes e bares; e fecha o Parque Henrique Luis Roessler (Parcão) e o Parque Floresta Imperial. Entretanto, não antecipa a suspensão das aulas, mantendo as escolas abertas e as crianças e profissionais expostos ao contágio. Entendemos que houve, no mínimo, incoerência, senão omissão, ao determinar o fechamento de academias e espaços culturais, por exemplo, e manter escolas abertas. A Rede Municipal de Ensino atende 24 mil alunos e tem 3 mil profissionais atuando nas escolas e espaços pedagógicos. Um risco demasiado que pode trazer sérias consequências. Solicitamos medidas urgentes para evitar uma catástrofe.

Mesmo com decreto declarando emergência, as aulas continuam nesta sexta-feira.


A prefeita anunciou ontem a publicação de um novo decreto, desta vez de emergência, porém não antecipou a suspensão das aulas. Mesmo com a insistência de professoras e professores, funcionários de escolas e do SindprofNH, até o presente momento, não há alteração na situação. A declaração de emergência dá uma mostra de que o coronavírus está mais perto da gente do que imaginávamos, provavelmente já está circulando entre nós. Apesar disso, a prefeita Fátima e o Gabinete de Gestão permitiram que as escolas permanecessem abertas e as aulas continuassem. Entendendo a gravidade da situação, ontem, antes mesmo da declaração de emergência, o SindprofNH procurou a Secretária de Educação Maristela Guasselli para fazer um apelo pela antecipação da suspensão das aulas. A Secretária disse que o assunto seria tratado pelo Gabinete de Gestão, no máximo, até hoje pela manhã. À noite teve a publicação do decreto de emergência, sem a suspensão imediata das aulas, o que nos levou a realizar novos contatos durante a própria noite para tentar articular o convencimento do Gabinete de Gestão em relação à antecipação da suspensão.
Pela manhã, buscamos uma agenda com a própria prefeita, ou com seu chefe de gabinete, Linéo Baum, que foi quem nos recebeu, rapidamente, por duas vezes. Na primeira, foi durante a reunião do Gabinete de Gestão, em que nos disse que o tema estava na pauta das discussões e que até meio-dia teria uma definição. No final da manhã, retornamos à prefeitura e tivemos a segunda conversa com o chefe de gabinete Linéo, que informou que as determinações ainda eram em relação à suspensão das aulas somente na segunda-feira, mas que ainda voltariam ao tema ao longo do dia. São 17 horas e não tivemos nenhuma informação de alteração.
A prefeita Fátima pode ter que responder por essa omissão futuramente. Até agora, os casos suspeitos podem ser poucos, mas o exemplo dado por outros países nos mostram que a curva de contaminação pode se intensificar em questão de poucos dias. Este um dia poderia fazer uma grande diferença.
Portanto, este relato é para manifestarmos nossa indignação em relação ao descaso e para mostrar que tentamos, mas o Governo de mostrou irredutível mesmo com o clamor das professoras, professores e funcionários das escolas.

terça-feira, 17 de março de 2020

SindprofNH tomará as seguintes medidas contra o coronavírus:


O SindprofNH tomará as seguintes medidas:
- Estão suspensos os atendimentos jurídicos na sede do SindprofNH.
- Caso necessite, entre em contato com o Sindicato.
- O Sindicato manterá o atendimento na sua sede, podendo ser interrompido em caso de agravamento da situação. Porém, evite deslocamentos desnecessários.
- Os canais para comunicação com o SindprofNH e a direção são:
Telefone/Whatsapp: 98243-8866, 99352-8204 e 99181-4826
E-mail: sindprofnh@gmail.com
Facebook /Instagram: @sindprofnh